quarta-feira, 30 de maio de 2007

Você também trabalha para o governo...

O Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário divulgou nesse mês seu tradicional estudo indicando que as cidadãs e cidadãos brasileiros trabalharam 4 meses e 26 dias em 2007 para pagar os tributos (impostos, taxas e contribuições) nas três esferas de governo (federal, estadual e municipal). Isso significa dizer que até o último dia 26 de maio, todo o esforço e dedicação dos trabalhadores deste país, serviram apenas para custear a máquina pública.

A carga tributária sobre os colaboradores das empresas, profissionais liberais e trabalhadores autônomos está crescendo ano após ano no governo Lula. Em 2003, foram necessários 36,98% do rendimento bruto do contribuinte brasileiro para arcar com a tributação inerente aos próprios rendimentos, consumo, patrimônio, etc... Em 2004, o comprometimento foi de 37,81%; 2005 saltou para 38,35%; 2006 pulou para a casa dos 39,72% e neste ano ultrapassou a barreira dos 40%.

Segundo ainda o IBPT, o tributo sobre a classe alta ficou estável e da população mais pobres houve um pequeno decréscimo. Tradicionalmente, é a classe média a mais sobrecarregada e por isso mesmo, foi verificado elevação na carga tributária.

Conheça todos os detalhes sobre o Estudo sobre os Dias Trabalhados para Pagar Tributos.

terça-feira, 29 de maio de 2007

Não é só na política...

Neste mês de maio, foram divulgados os resultados da inédita pesquisa Perfil do Congresso e Percepção sobre as Reformas e Agenda Política realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) com o objetivo de traçar um fiel diagnóstico (não partidário) sobre os problemas estruturais que afligem e assolam o nosso país.

Para nossa surpresa, o levantamento demonstrou que 73% dos parlamentares entrevistados, indicam que os desvios de conduta são influenciados pelo próprio “sistema político”, ou seja, a barganha e as negociações historicamente entranhadas na política nacional e, apenas 21% afirmam que esses desvios são de ordem pessoal. Como diria o jornalista Boris Cazoy: Isso é uma vergonha!

Mas, os atos de corrupção não fazem parte somente do ambiente público, ele também é verificado no mundo dos negócios, especialmente, no ambiente interno das empresas e foi isso que um estudo realizado por uma das maiores empresas de consultoria e auditoria do mundo, a KPMG, constatou.

Os entrevistados - 100 executivos da alta cúpula de multinacionais de 21 países, incluindo o Brasil – foram unânimes em afirmar das crescentes dificuldades que as transnacionais vêem enfrentando para frear as fraudes cometidas por colaboradores e fornecedores em suas subsidiárias instaladas nos quatro cantos do planeta e, a maioria delas, assumem não estarem preparadas para investigar ou coibir este tipo de ato.

A pesquisa não separou os dados relativos ao Brasil, mas segundo a KPMG o nosso ambiente corporativo está mudando influenciado, especialmente, por legislações de outros paises como a Sarbanes-Oxley (SoX) envolvendo as companhias listadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE) e na Nasdaq, inclusive com a obrigadoriedade na elaboração e adoção de Códigos de Ética, com cláusula de proteção aos funcionários que denunciarem qualquer tipo de desvios de conduta, conflitos de interesse ou irregularidades à direção da companhia.

Além dos problemas ligados à imagem e reputação corporativa, os estratosféricos valores envolvidos nas fraudes são também uma justificável preocupação, pois acabam desvalcando os cofres e, consequentemente, reduzindo os resultados financeiros. Segundo, a Association of Certified Fraud Examiners (ACFE) que congrega os maiores especialistas americanos em investigações de golpes nas empresas, estima que a corrupção corporativa fica com 5% das receitas das empresas americanas, ao algo em torno de US$ 652 bilhões.

Pegando o mesmo percentual estimado nos EUA e aplicando sobre o faturamento das 1.000 maiores companhias do Brasil (R$ 1,2 trilhão em 2.004) teríamos R$ 60 bilhões desviados do bolso das empresas para o bolso dos funcionários e fornecedores corruptos.

Quais os motivos que levam um homem a atravessar a gratificante linha da ética, da honestidade e da integridade, e passar para o lado da má conduta?

Vale a pena você conhecer outras pesquisas da KPMG: Pesquisa de Integridade 2005-2006 e A Fraude no Brasil 2004.

sábado, 26 de maio de 2007

Bom final de semana... Até segunda!

No mês de março publicamos o post intitulado Parabéns Honda com nossa dupla congratulação a esta que é uma das mais importantes indústrias automobilísticas do mundo.

E não era pra menos! Pelo sétimo ano consecutivo a Honda foi premiada em razão de possuir o automóvel menos poluente. Além disso, o Blog Ética dos Negócios tinha que registrar a inusitada, inovadora e exemplar iniciativa adotada pela Equipe Honda de Fórmula 1 para a temporada deste ano: os carros estariam totalmente caracterizados com a imagem do planeta Terra chamando à atenção para a preservação do meio ambiente em tempos de aquecimento global.

Amanhã, além de ser comemorado o aniversário do Rubens Barrichello é também, por uma ironia do destino, o Dia Mundial da Tartaruga. E, como o aniversariante levou na maior esportiva a brincadeira feita pelo pessoal do Pânico na TV durante o Grande Prêmio Brasil de 2006, resolvemos prestar esta homenagem.

Feliz aniversário Rubinho!

sexta-feira, 25 de maio de 2007

As versões da Gol

Acompanhamos nesta terça-feira (22/5) o incidente com o Boeing 737 da Gol Linhas Aéreas (vôo 7486 – São Paulo/Montevidéu) que teve problemas na turbina esquerda logo após a decolagem, trazendo pânico a bordo, e depois dos procedimentos padrões pertinentes a situação de não emergência, retornou ao Aeroporto Internacional de São Paulo (Cumbica - Guarulhos), aterrissando com total segurança e sem maiores transtornos.

Ocorre que, num primeiro momento, a Gol se negou a prestar qualquer tipo de informação sobre o incidente, atitude, a princípio, prudente até o comandante da aeronave passar todos os detalhes à direção da companhia.

Na manhã do dia seguinte a Gol enviou à imprensa a versão oficial sobre o ocorrido:

"A GOL Transportes Aéreos informa que o vôo 7486, que decolou na noite de ontem de Guarulhos com destino a Montevidéu, no Uruguai, precisou retornar ao aeroporto de São Paulo depois que um pássaro entrou em uma das turbinas da aeronave. Não houve interrupção do funcionamento da turbina, e o pouso em Guarulhos foi feito em condições normais".

No entanto, com base no relatório preliminar da análise técnica realizada pela Infraero no Boeing acidentado, o superintendente regional, Edgar Brandão Júnior, contrariou integralmente a versão apresentada pela Gol, ao afirmar:

“A avaliação técnica mostrou que não teve qualquer problema com um pássaro e deve ter tido algum problema com uma peça do motor da turbina”.

Após esse fato, a Gol divulgou “nova” nota à imprensa:

(...) retornando ao aeroporto de origem após a turbina do lado esquerdo apresentar um stoll de compressor, devido à provável ingestão de um corpo estranho em algum momento da operação do motor – chamas no escape da turbina são observadas em ocorrências deste tipo (...)

(...) A Companhia está enviando a turbina para uma das empresas homologadas no exterior para as avaliações e reparos necessários, e dentro de 90 dias receberá laudo técnico do ocorrido (...)

Na realidade, o que a Gol deixa transparecer é sua opção, em passar para a opinião pública, uma versão menos traumática com o objetivo de amenizar um possível novo desgaste em sua imagem, sem levar em consideração que incidentes aéreos são inerentes a toda e qualquer companhia aérea, mesmo seguindo todos os procedimentos e padrões internacionais de manutenção e segurança, como é o caso, sem dúvida alguma, da Gol Linhas Aéreas.

A nosso ver, além de ser uma estratégia muito arriscada, a atitude tomada acabou contrariando o próprio Código de Ética da Gol que “reúne os princípios éticos e os parâmetros que devem orientar as ações dos colaboradores e terceiros quanto à coerência de sua conduta, tanto interna como externamente. Tais princípios devem nortear o comportamento da Gol Linhas Aéreas Inteligentes S/A e suas subsidiárias e coligadas, em todas as iniciativas”, inclusive no Capítulo II - Relacionamento com Clientes é imperativo:

Art. 2º. - Os clientes devem ser atendidos com educação, cortesia e respeito, devendo as informações ser prestadas de forma rápida, clara, precisa e transparente, com igualdade de tratamento, sem distinções movidas por interesses ou sentimentos pessoais.

quinta-feira, 24 de maio de 2007

O mundo em outra proporção...

Para que você possa compreender como nosso mundo necessita urgentemente de mudanças estruturais e de iniciativas que visem a inclusão de milhões de homens, mulheres e crianças através de políticas públicas, ações responsáveis de empresas e instituições do terceiro setor e também do trabalho voluntário, vamos demonstrar alguns indicadores sociais proporcionais para um planeta com apenas 1.000 habitantes.

Veja só como seria:

  • 570 asiáticos, 210 europeu, 80 africanos e 40 americanos

  • 520 mulheres e 480 homens

  • 700 não seriam brancos e 300 brancos

  • 700 não seriam cristãos e 300 cristãos

  • 890 heterossexuais e 110 homossexuais

  • 60 deteriam 59% de toda a riqueza mundial e todos eles seriam americanos

  • 800 pessoas viveriam em condições subumanas

  • 200 sem acesso a água potável e 350 sem esgoto

  • 1 teria computador

  • 30 estariam desempregados, 2 em trabalho escravo e 40 crianças em trabalho infantil

  • 140 passariam fome

O dia 11/SET/2001 ficará marcado para sempre por causa dos atentados terroristas em Nova York que mataram mais de 3.000 pessoas. É unânime a afirmação que diz: "o mundo nunca mais será o mesmo após o 11 de setembro".

Entretanto, todos os dias, aviões da indiferença derrubam quatro torres gêmeas cheias de crianças vítimas da falta de água potável ou das doenças geradas por água contaminada.

Além disso, a cada 3 segundos um ser humano morre de fome em nosso planeta...

É preciso mudar o mundo? Evidente que sim... Precisamos construir uma sociedade mais justa e sustentável!

quarta-feira, 23 de maio de 2007

Código de Ética: Ter ou Não Ter... Eis a questão!

Semana passada, o presidente do Banco Mundial (Bird), Paul Wolfowitz, renunciou a seu cargo em função da insustentabilidade funcional gerada por um conflito de interesse. O principal executivo do Bird conseguiu para sua namorada um novo emprego no governo americano e com um salário de dar inveja até à poderosa Secretária de Estado, Condolesa Rise.

A queda de Wolfowitz se deu após uma junta diretiva constatar que não foi respeitado aquilo de determina o próprio Código de Ética do Bird e a observação a este instrumento é imperiosa a todo e qualquer funcionário, até mesmo seu presidente (saiba mais no Último Segundo), pois os códigos enumeram direitos e deveres, mas também punições, dentre elas a demissão ou exoneração.

A importância dos Códigos de Ética é indiscutível. Para você ter uma idéia, inúmeros profissionais, no exercício de suas funções tem que respeitar os códigos elaborados por suas entidades de classe, como é o caso dos médicos (Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina - CFM) e dos advogados (Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB).

Várias empresas também têm no Código de Ética a base de sustentabilidade moral e o alicerce ético que orienta e conduz a gestão e as ações colocadas em prática. Além disso, esse instrumento informa a todos os públicos que a empresa interage no dia-a-dia dos seus negócios como deve ser o comportamento e a conduta tanto dela (empresa), como de todos os seus colaboradores (Saiba mais sobre códigos de ética na 1ª Pesquisa sobre Código de Ética Corporativo do Brasil).

Por mais incrível que isso possa parecer até o Governo Federal possuí um Código de Ética para os funcionários da Alta Administração e essas regras deveriam ser a grande aliada contra atos de corrupção. Esse instrumento, até aqui ilustrativo, se encontra disponibilizado no web site da Comissão de Ética Pública a qual faz parte da própria Presidência da República e isso tem uma explicação lógica: até o final de 2.010 o presidente Lula também ocupa a função constitucional de Guardião da Ética Pública no país!?!?!?

Porém, um fato chama à nossa atenção! O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) está propondo criar um Código de Ética da Magistratura fixando regras éticas para pautar a conduta de todos os juizes do Brasil e aborda, em seus 5 capítulos e 30 artigos, temas como: independência e imparcialidade, transparência, integridade e honestidade profissional, diligência e cortesia.

Entretanto, a iniciativa do CNJ vem recebendo duras críticas dos próprios magistrados que, pelos comentários, não querem ser obrigados a seguir as regras impostas por esse Código de Ética.

Uma pergunta não quer se calar: Qual o verdadeiro motivo das Excelências não aceitarem um Código de Ética da categoria?

Até concordamos com o ditado popular que diz, DATA VÊNIA, os "juízes da 1ª Instância imaginam ser Deus e os da 2ª Instância já tem certeza", mas venhamos e convenhamos, os magistrados serem contrários a elaboração de um Código de Ética... Não faz sentido algum!

E você o que acha? Dê sua opinião!

terça-feira, 22 de maio de 2007

A força e o poder da Internet...

Este mês se comemora o Dia Mundial da Internet e o Brasil é um dos destaques na rede mundial de computadores. Segundo o IBGE já somos mais de 32 milhões de brasileiros conectados e temos o maior tempo médio de navegação por pessoa (20h54m), a França é a vice-líder com 19h56m, seguida pelos EUA (19h08m) e depois vem o Japão com 18h34m.

Não é pra menos que o Google - fundado em 1.997 - conquistou o topo da lista das marcas mais valiosa do mundo (US$ 66,3 bilhões) demonstrado no Ranking BrandZ 2007 que é um tradicional levantamento realizado pela empresa de consultoria Millward Brown e pelo jornal Financial Times que leva em consideração as informações financeiras e a opinião de mais de um milhão de participantes.

Isso demonstra a força e o poder da internet no mercado global, haja vista que o Google deixou para trás marcas renomadas no mundo todo como o refrigerante mais consumido (Coca-Cola), a maior rede de fast food (McDonald´s) e os automóveis fabricados pela mais importante indústria automobilística (Toyota).

Para você ter uma idéia, as Top 100 (as 100 marcas mais valiosas) somam a estratosférica cifra de US$ 1,60 trilhão, valor este superior a toda riqueza produzida (PIB) em países como Canadá (US$ 1,27 trilhão), Espanha (US$ 1,25 trilhão) e Brasil (US$ 1,07 trilhão) respectivamente a 8ª, 9ª e 10ª economia mundial.

Outro dado bastante interessante desse levantamento diz respeito ao BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) que está impulsionando o crescimento das grandes marcas mundiais - como McDonald's, Levi's, Nike e Zara – as quais estão elevando seu faturamento em função do aumento da renda e, consequentemente, do consumo destas que são as principais nações em desenvolvimento.

Confira abaixo a lista das 20 mais valiosas marcas do mundo:

1 - Google (US$ 66,434 bilhões)

2 - GE (US$ 61,880 bilhões)

3 - Microsoft (US$ 54,951 bilhões)

4 - Coca-Cola (US$ 44,134 bilhões)

5 - China Mobile (US$ 41,214 bilhões)

6 - Marlboro (US$ 39,166 bilhões)

7 - Wal-Mart (US$ 36,880 bilhões)

8 - Citi (US$ 33,706 bilhões)

9 - IBM (US$ 33,572 bilhões)

10 - Toyota (US$ 33,427 bilhões)

11 - McDonald's (US$ 33,138 bilhões)

12 - Nokia (US$ 31,670 bilhões)

13 - Bank of America (US$ 28,767 bilhões)

14 - BMW (US$ 25,751 bilhões)

15 - HP (US$ 24,987 bilhões)

16 - Apple (US$ 24,728 bilhões)

17 - UPS (US$ 24,580)

18 - Wells Fargo (US$ 24,284 bilhões)

19 - American Express (US$ 23,113 bilhões)

20 - Louis Vuitton (US$ 22,686 bilhões)

Conheça todos os detalhes do Ranking BrandZ nesse link em arquivo pdf.

segunda-feira, 21 de maio de 2007

sexta-feira, 18 de maio de 2007

Parabéns Editora Abril

Esse mês se comemora o 20º aniversário do relatório Nosso Futuro Comum, também conhecido como Relatório Brundtland elaborado dentro das Nações Unidas pela Comissão para o Desenvolvimento Sustentável, o primeiro que introduziu esse conceito e analisou a situação do mundo, concluindo que o progresso teria que ser aliado à proteção ambiental e esta questão deveria ser encarada como um problema global.

O conceito de Desenvolvimento Sustentável (DS) é: atender as necessidades presentes sem comprometer as possibilidades de as futuras gerações atenderem as suas próprias necessidades e para ser sustentável, qualquer empreendimento humano deve ser ecologicamente correto, economicamente viável, socialmente justo e culturalmente aceito, e somente através da sustentabilidade, poderemos construir e viver num mulher melhor.

A Editora Abril, no ano do centenário do seu fundador lança o portal Planeta Sustentável um inovador e admirável projeto que terá a participação das revistas e sites da Abril e cuja missão é fomentar diferentes pontos de vista contribuindo assim, para o desenvolvimento do pensamento autônomo e criativo, capaz de despertar a consciência e qualificar as ações de sustentabilidade.

E assim, como Victor Civita mudou a história das revistas no país, seus sucessores estarão contribuindo para o fortalecimento da tão sonhada e necessária Sustentabilidade.

Parabéns Editora Abril por tão nobre iniciativa.

quarta-feira, 16 de maio de 2007

O que não pode mudar no Banco Real?

Nas últimas semanas a mídia vem noticiando a venda de um dos gigantes do mercado financeiro mundial, o banco holandês ABN AMRO Bank que no Brasil opera através do tradicional Banco Real.

As negociações estão a todo vapor envolvendo dois pretendentes: o britânico Barclays que ofereceu R$ 187 bilhões e um consórcio formado pelo espanhol Santander, o escocês Royal Bank of Scotland e o belgo-holandês Fortis com proposta de R$ 200 bilhões.

Mas, isso não é o problema principal, pois o processo de Fusões & Aquisições vem se intensificando nas últimas décadas em função da globalização, mas o que deve ser analisado, desde já, é como o novo controlador deverá lidar com todas as questões relacionadas à Responsabilidade Social tão bem conduzidas pelo Banco Real no Brasil e demonstrada na página Sustentabilidade no portal do banco.

A presidência do Banco Real foi procurada pelo Blog Ética nos Negócios, porém não houve nenhum comentário sobre esse post.

terça-feira, 15 de maio de 2007

Congelando as Fusões...

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) iniciou um processo envolvendo grandes companhias na tentativa de "congelar" o processo de Fusão & Aquisição através do APROS (Acordo de Preservação da Reversibilidade da Operação) que tem por objetivo obrigar as empresas a manter estruturas corporativas separadas até a decisão final do conselho, pois assim será evitado que a fusão se consolide, tornando sem sentido a análise dos casos antitruste em uma possível decisão contrária ao negócio.

O primeiro acordo a ser assinado deve ser com a Ambev para congelar o processo de compra da Cervejaria Cintra. O Cade também está em negociação para assinatura do APROS com a Gol em função da compra da Varig; com a Telefônica, dona da Vivo, que adquiriu a Tim da Telecom Itália; e ainda, o consórcio formado por Petrobrás, Grupo Ultra e Braskem atuais proprietários dos ativos da Ipiranga.

segunda-feira, 14 de maio de 2007

Brasil: mais uma queda....

O renomado instituto suíço IMD (Escola de Administração e Negócios) divulgou o Relatório 2007 demonstrando o ranking dos 55 países com maior competitividade no mercado global.

A maior economia do mundo (EUA) manteve a liderança e os grandes destaques positivos da lista foram a Holanda (subindo sete posições da 15ª para a 8º) e Alemanha (subindo nove posições da 25ª para a 16º).

O Brasil, pra variar, esta presente como um dos destaques negativos caindo cinco degraus na lista (de 44º para 49º). Acesse esse link e conheça a lista completa.

E, essa queda é facilmente justificável: deixando de lado o descaso do país com a educação, o Brasil comprime o setor produtivo com elevada carga tributária e impede novos investimentos com a maior taxa de juros do planeta.

sexta-feira, 11 de maio de 2007

Conheça a Lista Verde do Greenpeace

O Greenpeace possui um Guia do Consumidor apresentando 109 empresas das quais 68 fazem parte da Lista Verde composta por gigantes da indústria alimentícia como Nestlé, Parmalat, Unilever, Sadia e Perdigão.

O nome Lista Verde é uma alusão àquelas empresas que não fabricam ou distribuem produtos transgênicos, isto é, geneticamente modificado.

Já as empresas que não assumiram o compromisso de levar ao consumidor brasileiro alimentos livres de transgênicos continuam na Lista Vermelha formada por empresas como Bunge, Cargill, Garoto e Vigor.

A última empresa a entrar na Lista Verde foi a Yakult que passou a adotar uma política para garantir que seus produtos não contenham transgênicos.

Além da pressão dos consumidores, muitas companhias já perceberam que a produção e a comercialização de produtos sem transgênicos pode ser uma alternativa econômica vantajosa e isso foi demonstrado no Relatório Brasileiro de Mercado: a Indústria de Alimentos e os Transgênicos, lançado pelo Greenpeace no ano passado, com base no depoimento de dez fabricantes de alimentos e de três das mais importantes redes varejistas do Brasil (Carrefour, Pão de Açúcar e Sonae) que adotaram uma política não-transgênica.

quinta-feira, 10 de maio de 2007

Acabou a festa e a InBev colaborou!

Mês passado, a Comissão Européia (CE) acabou com a festa da combinação de preços no mercado holandês praticada pelas cervejarias Heineken, Grolsch, Bavária e InBev no período entre 1996 e 1999, as quais fixavam preços de maneira coordenada e dividiam o mercado.

As multas às cervejeiras levaram em consideração o tamanho do mercado atingido, a duração do acordo e a relevância das companhias envolvidas e assim, somaram R$ 756,5 milhões. O grupo belga-brasileiro InBev, controlador da AmBev - maior cervejaria do Brasil - por apresentar “informações decisivas” sobre as práticas ilegais entrou no Programa de Clemência e acabou não sendo multada. Além disso, a InBev informou á CE que altos executivos das cervejeiras se reuniam costumeiramente para delinear a atuação irregular de suas empresas não só no mercado holandês mas em outros países europeus como França, Luxemburgo e Itália. E, esses acordos tratavam dos preços a serem vendidos aos consumidores dos supermercados como também de bares e restaurantes.

A União Européia alertou o mercado que “não está disposta a tolerar esse tipo de prática contra a concorrência e punirá severamente as empresas envolvidas” e aconselhou as companhias a “não serem tentadas a fechar acordos como este e, se já o fizeram, que colaborem com o programa da CE como fez a InBev e coloquem fim em tal tratado ilícito”. Além do mais, informou que qualquer pessoa ou empresa que se considerar atingida pelo acordo de preços pode exigir uma indenização por danos nos tribunais nacionais, utilizando a decisão da CE como prova.

Realmente é uma medida exemplar!

quarta-feira, 9 de maio de 2007

General Motors esclarece...

Circula pela internet que durante a Comdex, tradicional feira de informática, o fundador da Microsoft, Bill Gates, teria feito uma irônica comparação entre a indústria de computadores e a automobilística, declarando:

"Se a GM tivesse evoluído tecnologicamente, tanto quanto a indústria de computadores evoluiu, estaríamos dirigindo carros que custariam 25 dólares e que fariam 420 km com apenas um litro de gasolina”

A General Motors Co., por sua vez, teria respondido a esses comentários, divulgando na mídia a seguinte nota:

Se a Microsoft fabricasse carros:

01 - Toda vez que eles repintassem as linhas das estradas, você teria que comprar um carro novo.

02 - Ocasionalmente, dirigindo a 100 km/h, seu carro morreria na estrada sem nenhuma razão aparente, e você teria apenas que aceitar isso, sem compreender o porque! Depois, deveria religá-lo (desligando o carro, tirando a chave do contato, fechando o vidro saindo do carro, fechando e trancando a porta, abrindo e entrando novamente... Em seguida sentar-se no banco, abrir o vidro, colocar a chave no contato e ligar novamente). Depois, bastaria ir em frente.

03 - Ocasionalmente a execução de uma manobra a esquerda poderia fazer com que seu carro parasse e falhasse... Você teria então que reinstalar o motor! Por alguma estranha razão você aceitaria isso como "normal".

04 - A Linux faria um carro em parceria com a Apple, extremamente confiável. Cinco vezes mais rápido e dez vezes mais fácil de dirigir. Mas apenas poderia rodar em 5% das estradas.

05 - Os indicadores luminosos de falta de óleo, gasolina e bateria seriam substituídas por um simples "Falha Geral ou Defeito Genérico" (permitindo que sua imaginação identifique o erro!).

06 - Os novos assentos obrigariam todos a terem o mesmo tamanho de b.....

07 - Em um acidente, o sistema de air bag perguntaria: "Você tem certeza que quer usar o air bag?".

08 - No meio de uma descida pronunciada, quando você ligasse o ar-condicionado o radio e as luzes ao mesmo tempo, ao pisar no freio apareceria uma mensagem do tipo "Este carro realizou uma operação ilegal e será desligado!"

09 - Se desligasse o seu carro utilizando a chave, sem antes ter desligado o radio ou o pisca-alerta, ao ligá-lo novamente, ele checaria todas as funções do carro durante meia hora, e ainda lhe daria uma bronca para não fazer isto novamente.

10 - A cada novo lançamento de carro, você teria de reaprender a dirigir. Coisa fácil: voltaria a auto-escola para tirar uma nova carteira de motorista.

11 - Para desligar o carro, você teria de apertar o botão "Iniciar".

12- A única vantagem: Seus netos saberiam dirigir muito melhor do que você!

O Blog Ética nos Negócios buscou a veracidade dos fatos enviando mensagem ao atual Chairman & CEO da GM, Rick Wagoner, que já foi presidente da General Motors do Brasil (GMB) entre 1.991 e 1.992.

Veja a resposta do Diretor de Comunicação Social da GMB, Pedro Luiz Dias:

"Queremos informar que a citada referência de Bill Gates, da Microsoft, sobre os carros da GM nunca existiu e muito menos a resposta da GM. É puro folclore da mídia"

Mais uma vez... É apenas um boato!

Obrigado GM por seus esclarecimentos.

terça-feira, 8 de maio de 2007

Resultado Pesquisa do Blog

Você sabia que os bancos também tem que respeitar o Código de Defesa do Consumidor?
  • SIM: 43,3%
  • NÃO: 57,7%
O resultado confirma que muitos leitores, por desconhecimento, estão deixando de observar os seus direitos como consumidor de produtos e serviços bancários.

Para contribuir com você, o Blog Ética nos Negócios coloca à sua disposição um link para esse importante instrumento. Conheça todos os seus direitos no Código de Defesa do Consumidor.

Não deixe de participar da nossa nova pesquisa!

segunda-feira, 7 de maio de 2007

Ainda há tempo... Só depende de nós!

O Painel Intergovernamental sobre Mundanças Climáticas (IPCC em inglês) confirmou através de mais um relatório: "os próximos 20 a 30 anos serão derradeiros para se frear os efeitos do aquecimento global" e recomenda uma série de medidas a serem colocadas em prática por governos, empresas e instituições do terceiro setor - ao custo de 3% do PIB global - para se reduzir as emissões dos gases de efeito estufa (GEE) e afima: "dinheiro e tecnologia o mundo tem" (saiba mais no Último Segundo).

Porém, essa responsabilidade não pode ficar a cargo somente dos setores econômicos, nós também somos responsáveis por isso, pois afinal de contas, cada ato consciente praticado daqui pra frente, por cada um de nós, terá conseqüências positivas no futuro de nossos filhos e netos.

Você pode estar pensando! Mas, o que vai adiantar as minhas atitudes? Tenha uma coisa em mente: por menor que seja sua contribuição, suas ações responsáveis serão fundamentais para revertermos esse quadro preocupante e garantir a sustentabilidade do planeta.

FAÇA ALGO! Você faz parte da solução! Acesse esse link e veja como é fácil e simples você ajudar.

quinta-feira, 3 de maio de 2007

Políticos-Executivos ou Executivos-Políticos?

O governador Aécio Neves, é um exemplo de administrador público com foco em resultados, um tipo de político-executivo ou um executivo-político.
Os resultados alcançados no Governo do Estado de Minas Gerais, especialmente, o reequilíbrio das finanças públicas que, quando assumiu o governo em 2003, estavam negativas em quase R$ 1 bilhão e hoje vem apresentando superávits suficientes para garantir, inclusive, a reeleição de Aécio Neves e também uma das mais altas popularidades encontradas no país, com aprovação de mais de 70% entre os mineiros.
Nesse segundo mandado a principal meta é o programa chamado Estado para Resultados um verdadeiro choque na administração pública tradicional e que vem inspirando outros governadores pelo Brasil.
Porém, tudo isso somente é possível, graças a entrada de executivos do setor privado no setor público os quais trazem para dentro dos governos os princípios e as ferramentas de gestão utilizadas no mundo dos negócios que acabam trazendo inúmeros resultados positivos nas administrações públicas do nosso país e, consequentemente, para toda a sociedade, pois como o foco são os resultados, o dinheiro público é administrado da melhor maneira possível e além disso, como o interesse público passa ser o centro das decisões, ou seja, a satisfação do principais clientes: os cidadãos e estes passam a fazer parte, verdadeiramente, da visão e da missão de cada um dos governos-empresa. Para você ter uma idéia, nos 30 principais projetos definidos como prioritários no governo mineiro foram oferecidos recompensas aos Secretários que atingirem os objetivos pré-estabelecidos, dentre eles, mais verba dentro do do próprio Orçamento Público de Minas Gerais. Além disso, uma equipe de 15 administradores recém-formados acompanham o cumprimento das metas, relatando mensalmente ao governador-presidente os resultados alcançados por cada secretaria-departamento.
O que mais verificamos em nosso país, seja no governo federal, estadual ou municipal não é a falta de recursos, mais sim, a forma como estes recursos são administrados e gastos por “políticos profissionais” onde a esmagadora maioria destes são excelentes políticos mas péssimos administradores e, como se não bastasse, suas equipes são formadas por políticos também... Pode um cego conduzir outro cego???
Fica aqui a sugestão do Blog Ética nos Negócios ao Congresso Nacional para elaborar e aprovar uma nova Lei criando uma espécie de “quota mínima” de executivos na administração pública direta, obrigando governadores e prefeitos a incluírem em seus "quadros de colaboradores" executivos de primeira-linha com invejável competência, pois só assim, o Chairman do Brasil poderá apresentar na Assembléia Anual - com a participação dos Cidadãos-Acionistas - os melhores resultados alcançados pelas dezenas de CEO´s estaduais e milhares de municipais.

quarta-feira, 2 de maio de 2007

Ele viu nossa realidade...

O satélite Envisat foi lançado pela Agência Espacial Européia (ESA) em 2002 e está tendo uma ambiciosa missão: fornecer medidas da atmosfera, do oceano, da terra e do gelo visando o monitoramento do aquecimento global, do grau de contaminação atmosférica e dos riscos de desastres naturais.

Seus objetivos estão sendo cumpridos... O Envisat já documentou a gravidade da extensão dos gases de efeito estufa (GEE) em nossa atmosfera.

A foto abaixo demonstra nossa triste realidade "azulada".

A reversão desse problema só depende de nós (governos, empresas e sociedade).

FAÇA ALGO!